segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Sem par

Toca a valsa
Toca a orquestra
Dois pra cá
Dois pra lá

Orquestra toca
O povo dança
Dois pra cá
Dois pra lá

Cada um
com o seu par
Melhor que isso
Não há

Será?
Porque não dança?
Porque não canta?

Eu não tenho par
Eu não tenho quem
Eu possa amar

Quero dançar
Quero amar
Quero chorar

Triste a chorar
Ouve ela cantar
Não há para amar

Sofrer, sorrir
Sorrir e sofrer
Hoje eu sofri
Amanha morrer

Quero ser enterrado
Na cor de valsa
Sem ninguém chorar
Sem o tom da salsa

Dor, sofrer,
Amar, chorar
Cantar, Dançar
Viver, tocar

Quantos verbos
Cada um com par
Quanto a mim
Nada a amar

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Poesia Concreta 5

       Então, Alguém,
    alguém       tem alguma          
Alguma                Questão?
                               Dúvida
                                       Você
                                             do
                                               que
                                                  tem
                                                  dú-
                                                  vi-
                                                da?
                                             du-
                                          vi-
                                       da?
                                Eu?
                            Eu não
                           Não há
                          Dúvida
                          Duvida?
                          Duvido
                         Estou só
                         com uma
                          Dívida
                          com meu
                          Professor


                            Só isso
                           Só aquilo
                          Nada mais
                           Professor



                                 

Poesia Concreta 4

                                                                                            Foi
                                                                                              será
                                                                                                Foi-se
                                       Que  Martelo?                                Foice?
                                             Meu                                        Ahã?
                                             Seu?                                      Essa
                                             Meu                                 O que?
                                            Nosso                             Isso
                                            Vosso                      Aquilo
                                            Nosso                   Isto
                                            Martelo            Foice
                                            Foice     e   Martelo  
                                            Longe,    só
                                            Separado?
                                  Camponês  e
                              O  Proletário, o
                         Um, um só,   junto
             Amor proletário        unido
            Sem proprietário        só 1
              Sindicato                  com
               Martelo                   e  a
                Foice                       A
                 Foice                     e o
               Martelo
                     



                                   

Poesia Concreta 3

                                          Havia
                                        uma cobra
                                       bem ali
                                    a cobra não anda
                                         Porque não tem pés

                                         A cobra chocalha
                                         Bate sua calda
                                            Sem perceber
                                            Sobe a barra da saia
                                                Assustando a aia
        
                                                      Havia uma cobra
                                                     Na barra da saia
                                                    Que assustou
                                                    A aia

                                                   "Saia daqui. Saia dali"
                                                  Saia, saia
                                                  Serpente, saia

                                               De repente
                                              A cobra saia da saia
                                             Desce, desce
                                            E corre atrás da tia
     
                                         " Saia daqui. Saia dali"
                                             Saia, saia
                                              Serpente, saia

                                                           Havia uma serpente
                                                             Correndo atrás
                                                             Da minha tia
                                                             Saia, saia daqui

                                                                          A serpente caiu
                                                                           Titio foi com a
                                                                            Espingarda
                                                                             atrás da cobra


                                                                                Caia
                                                                                    caia
                                                                                    caia
                                                                                        ali
          
                                                 
                                    

Dia

Hoje é um dia
De sofrasia
Um daqueles
Sem companhia

Hoje é um dia
Tarde sozinha
Quente e fria
Sem fazer nadinha

Hoje é um dia
Dia de apatia
Nada fazer
Nada conhecer

Hoje é dia
Sem mesmo saber
Se hoje sabado é
Ou domigo já foi

Hoje é um dia
O sol irradia
A tarde que ardia


Hoje é um dia
Amanhã uma noite
E a preguiça fica

Amanhã é um dia
Depois de amanhã outro
Depois fim da preguiça
Acaba a féria

Hoje é um dia
Que não voltaria
A acontecer

Foi-se minha preguiça
Assim que soube
Que acabou o dia

Um dia de fevereiro

        O dia 26 de fevereiro, embora quase ninguém se recorde, foi sem dúvida um dos dias mais importantes da História do Mundo.


        Isso visto que, no minímo três ações de relevância histórica importante aconteceram no mesmo dia...



Reconquista de Poder


       Impulsionado por um golpe deslanchado por forças leais, o grão comandante francês, Napoleão Bonaparte consegue fugir numa fuga alucinante da Ilha de Elba no arquipelago toscano (Itália) para a França, para reassentar o seu governo.

        Separado da esposa e do filho e sabendo de rumores de que ele iria ser banido para uma ilha remota no meio do Oceano Atlântico, Napoleão escapa de Elba e acaba  aportando em Golfe-Juan, na França, dois dias depois.

Napoleão

       Napoleão, o então líder francês com maior honrarias até então, foi interceptado pelo 5º Regimento.

       E sozinho, sem grande número de homens, ao estilo dele mesmo, Napoleão encarou toda a tropa sozinho, desmontou de seu cavalo e, quando encontrou-se sob a linha de fogo, gritou:

 "Aqui estou eu! Matem seu imperador, se assim o quiserem!"

      Em vez de ser fuzilado, como se esperava, os soldados se mantiveram leais a Napoleão, e sob gritos de: "Vive L'Empereur! (Viva o Imperador!), marcharam com Napoleão até Paris, fazendo com que Luís XVIII se borrasse de novo de medo e fugisse para o exílio.

        Logo após a isso, Napoleão  reconquista o poder na França iniciando assim o Governo dos Cem Dias.

         A Europa coligada retoma sua luta contra o Exército francês. Napoleão entra na Bélgica em junho de 1815, mas é derrotado por uma coligação anglo-prussiana na Batalha de Waterloo e abdica pela segunda vez, pondo fim ao Império Napoleônico. Mas a expansão dos ideais iluministas continuou.

       Logo após a isso, os rumores de Napoleão se confirmaram quando enfim foi mandado para a ilha de Santa Helena, no Atlântico Sul, entre o Brasil e a África, onde morreu no exílio.


O buldogue raivoso


     Descendo de seu Rolls-Royce preto, trajando a sua fina casaca e fumando seu famoso charutão, o primeiro-ministro inglês, uma figura enigmática e carismática, com feições já enrugadas, e um maxilar tão agressivo que se parecia com um buldogue, caminhou até as escadarias da  Câmara dos Comuns, em Londres para fazer um pronunciamento.

     Costumeiramente, Churchill começou com um de seus discursos melosos de oitenta mil horas, que sempre proferia antes de fazer um anúncio realmente importante,  isso deixava entediados todos os jovens políticos londrinos.

     Churchill já era um político da velha guarda, e nessa altura, já estava perdendo um pouco a sua capacidade política, fora um político importante ao seu país na Segunda Guerra Mundial, tão importante, que acabou perdendo para Clemente Atlee, dos trabalhistas, no final da guerra, quando se preparava para ir a Postdam encontrar-se com Stálin e Truman.
Churchill


     Churchill sempre foi deixado de fora dos pontos máximos das discussões entre Stálin e Roosevelt, mas com Truman, com Truman foi diferente; ele era ouvido de perto por aquele líder que todos consideravam tosco politicamente, e diz a lenda que foi Churchill que muito influenciou, junto com  reacionários americanos com Edgar Hoover, para que Truman deflagrasse com Stálin a Guerra Fria.

     Churchill sempre foi deixado de fora porque a Inglaterra não era mais uma potência econômica ou militar, não tinha mais um grande papel na Segunda Guerra Mundial, embora continuasse lutando (com apoio maciço americano), a Inglaterra estava mais preocupada com a perda de suas colônias.



      O ponto máximo disso foi a independência da Índia, que foi diversas vezes suprimida (Churchill teve um grande papel para suprimir o poder de Mahatma Gandhi), e Churchill certa vez declarara que a Segunda Guerra Mundial era uma "guerra desnecessária" (não que ele estivesse do lado dos alemães).

      Mas naquele dia, 26 de fevereiro de 1952, aquele pronunciamento de Churchill iria mudar tudo, afinal de contas, a Guerra Fria havia começado, e o Reino Unido não queria ficar de fora.

      O primeiro-ministro do Reino Unido ao témino de seu pronunciamento anuncia que seu país possui a bomba atómica, a Inglaterra estava agora no Campo da Guerra Nuclear, tal como a União Soviética e os Estados Unidos.


O Congresso do Partido

      Realiza-se em sessão especial o XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética, o novo secretário do Partido  Nikita Khrushchov, depois de uma luta sucessória com Béria e Malenkov pelo poder da União Soviética, logo após a morte de Stálin, organizou os delegados para fazer um pronunciamento em 1956.

        Khrushchov, assustando a todos os velhos estalinistas de renome com seu célebre discurso secreto, denunciou as violências, os expurgos e as limitações à liberdade impostas pelo regime de Stalin, seu predecessor.

Ficheiro:Nikita Khruchchev Colour.jpg
Kruschov, o cara macho para tirar a fama de Stálin


       Durante a sessão a portas fechadas, no último dia do congresso, Kruschev criticou asperamente a política stalinista, denunciando o culto de personalidade e uma série de crimes cometidos por ele e seus colaboradores. O discurso chocou os delegados presentes, que depois de anos de propaganda estavam convencidos da grandeza de Stalin.

     Era o início da desestalinização que marcaria a Era Kruschov na União Soviética, em todo caso, apesar disso tudo, as propostas de Nikita Kruschov foram jogadas meio de lado, quando ele foi deposto por um golpe militar comandado por um de seus asseclas, Leonid Brejnev e morreu em prisão domiliciar em Moscou.

sábado, 25 de fevereiro de 2012

O Homem de Aço (fotos especiais)

Os meus profundos amigos sabem que eu tenho uma fixação quase inconsciente no ex-líder soviético, Iossif Stálin, não que eu seja estalinista, estou muito longe disso, mas Stálin era realmente uma pessoa cativante pessoalmente.

   Stalin entrava no Palácio Talmarida do Kremlin às 10h00 pontualmente, com sua túnica do Partido totalmente surrada e o seu inseparável quepe e subia com o auge da sua forma física as escadarias em direção à sua sala no Segundo Andar (que é atualmente usada pelo presidente russo Vladimir Putin), o seu escritório sempre austério, por vezes foi comparado à uma estação de trem de segunda linha, por não ter grandes luxos e sim uma mobília simples.

     Nisso ele ficava das 10h00 às 04h00 da manhã do outro dia... Isso era comum no Kremlin.

   O que não são comuns, são as fotos a seguir do líder soviético. São fotos dos momentos de descontração, ou  mesmo são de fato desconhecidas por alguns.

Clássica foto, Stálin nos seus tempos revolucionários

      Essa foto, logo acima, foi tirada por volta de 1905, talvez antes, nessa, Stálin, parecendo um galã de novela mexicana, com a barba decentemente aparada e o cabelo desagrelhado, usava um cachecou quadriculado azul/branco e um terno totalmente puído.

      Stálin, nesse período, era um agitador de greves, um líder terrorista que roubava bancos para financiar o Partido Bolchevique e ainda encontrava tempo para recitar poesia e flertar com algumas camaradas revolucionárias.

Foto da prisão de Stálin
        Essa fotografia datada já por volta dos anos de 1910, mostra o então revolucionário Djugashvili em trajes pitorescos até para si, usando camisa de colarinho duro, sobretudo e chapéu fedora, Stálin foi preso por atividades revolucionárias e mandado para o exílio na Sibéria em 1912.

 

       Uma das poucas fotos de Stálin e Lênin juntos (visivelmente photoshopada), Stálin vem visitar o então líder soviético (Vladimir Lênin) em Gorky para ver o seu estado de saúde, nesse encontro Lênin discutiu com Stálin sobre a crescente postura do Secretário-Geral em afastá-lo da política.

Stálin num momento de descontração

       Essa é uma fotografia do já líder soviético, em suas férias, em Sochi (Rússia), nesse momento de descontração o líder soviético sorridentemente brinca com a câmera, como normalmente fazia quando estava em férias com sua família. Stálin adorava passar as férias na sua dacha em Sochi e sair para pescar, ou mesmo para caçar e se tratar nas imensas águas termais de suas doenças (tal como a artrite).



          Outro hobby do Secretário-Geral do Partido Comunista da União Soviética, Iossif Stálin, a leitura; Conta a lenda que Stálin era tão viciado por livros que chegava a mesmo a felicitar pessoalmente os escritores soviéticos quando terminava de ler suas obras. A lenda continua, diz-se que Stálin lia em uma semana 12 livros! Isso é quatro vezes a média do que o brasileiro lê em um ano!

       Não a toa que a biblioteca de Stálin (adquirida com anos de experiência, heranças de camaradas mortos ou mesmo expropriações) era uma das maiores que se tem notícia, só comparável com a de Hitler (que em parte acabou indo para o líder soviético como espólio de guerra).

Fotos coloridas


         Essas duas fotos, das conferências de Yalta e de Postdam são das poucas imagens coloridas do líder soviético.
Os Três Grandes

      Nessa foto, Roosevelt, visivelmente doente, senta-se ao lado de Churchul que fumava um charuto cubano, e parece estar desconfortável, e Stálin totalmente firme em sua cadeira com as suas tradicionais botas e o seu quepe. Logo atrás, vê-se de quepe azul-claro com tiras vermelhas, agentes do NKVD designados para a proteção dos três.


Postdam

Harry Truman e Iossif Stálin


     Essa foto na verdade não corresponde muito a realidade, Stálin ignorava Truman completamente, a quem via um político totalmente tosco e sem qualquer carisma e prestígio político, talvez porque, quando senador, Truman defendeu que se deixasse os alemães e soviéticos se matassem em luta escarniçada, ajudando sempre o lado que estivesse em desvantagem.

    Truman, apesar que digam que não, iniciou a Guerra Fria ao repudiar o jeito Roosevelt de fazer política (sempre muito democrático) e ter praticamente insultado o Comissário das Relações Exteriores, Viatcheslav Molotov, na Conferência de São Francisco, que abriria os trabalhos das Nações Unidas.

    Se acham que Stálin é assassino deviam também ver o que Truman fez com o Japão ao autorizar a Bomba Atômica (que Stálin, a pessoa talvez mais insensível do mundo, achou desnecessário). Truman não fica muito atrás de Stálin.



       É claro, não podia faltar também a cena final desse show de horrores, o Funeral de Iossif Stalin, em Moscou.

     Todos os músicos e floristas de Moscou foram convocados para participarem do funeral em homenagem ao líder soviético... A multidão que reuniu-se em fila pelo Kremlin, cortando toda a Praça Vermelha, impediu que o músico, Serguei Prokofiev (que deu o azar de morrer no mesmo dia de Stálin), fosse levado pelo serviço funerário por três dias... Apodrecendo assim o seu corpo em seu apartamento próximo à Praça Vermelha.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Definição de Poesia

Mandelstam







Um risco maduro de assobio.
O trincar do gelo comprimido.
A noite, afolha sob o granizo.
Rouxinóis num dueto-desafio.


Um doce ervilhal abandonado
A dor do universo numa fava.
Fígaro: das estantes e flautas -
Geada no canteiro, tombado.


Tudo o que para a noite releva
Nas funduras da casa de banho,
Trazer para o jardim um estrela
Nas palmas úmidas, tiritando.


Mormaço: como pranchas na água,
Mais raso. Céu de bétulas, turvo.
Se dirá que as estrelas gargalham,
E no entanto o universo está surdo.


(1917)

(Ossip Mandelstam)

Tradução de Haroldo de Campos

Do ciclo o aluno



Pelos montes - túmidos e úmidos,
Sob o sol - potente e poento,
Com a bota - tímida e humilde -
Atrás do manto - roxo e roto.



Pelas areias - ávidas e ácidas,
Sob o sol - candente e sedento,
Com a bota - tímida e humilde -
Atrás do manto - rasto e rasto.

Pelas ondas - rábidas e rápidas,
Sob o sol - idoso e iroso,
Com a bota - tímida e humilde -
Atrás do manto - que mente e mente...
(Trad. Augusto de Campos e Boris Schnaiderman)

(Marina Tsvetaeva)

Tomaram...

"Os tchecos se acercavam dos alemães e cuspiam."
(Cf. jornais de março de 1939)
Tomaram logo e com espaço:
Tomaram fontes e montanhas,
Tomaram o carvão e o aço,
Nosso cristal, nossas entranhas.



Tomaram trevos e campinas,
Tomaram o Norte e o Oeste,
Tomaram mel, tomaram minas,
Tomaram o Sul e o Leste.



Tomaram a Vary e a Tatry,
Tomaram o perto e o distante,
Tomaram mais que o horizonte:
A luta pela terra pátria.



Tomaram balas e espingardas,
Tomaram cal e gente viva.
Porém enquanto houver saliva
Todo o país está em armas.





(Marina Tsvetaeva)

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Ivan, o Terrível (crítica de Filme)


        Ivan, o Terrível, outro filme de Sergey Eisenstein, fala do passado do Grão-Príncipe de Moscou que unificou todos os principados russos no século XVI e decretou guerra contra os tártaros (que infernizavam sua vida no Volga), os livonianos e os poloneses.


       Ivan, Grozny (como também é chamado) é dividido em duas partes, na verdade, acredito eu, seriam três, mas Eisenstein morreu antes mesmo de ter a oportunidade de fazê-lo.

     Eisenstein iniciou esse trabalho para agradar Stálin, que era afixionado pela figura de Ivan, o Terrível, tanto que por vezes vagava no Kremlin (o mesmo Kremlin de Ivan, o Terrível), andando pelos cantos como um renegado (tal como Ivan, o Terrível de novo) e dizendo que Ivan era seu "professor", tanto que isso está anotado de lápis em um de seus livros na sua famosa biblioteca.

     A cena inicial começa quando Ivan é coroado Grão-Princípe de Moscou, levando a descontentamentos entre os boiardos, inclusive de sua tia, Eufrosinia, e mais ainda quando se proclama Czar de Todas as Rússias, o que os embaixadores aqui representados, da Polônia e Livônia prontamente recusam-se a aceitar isso.

A coroação de Ivan


    Percebe-se logo de início na trama, um clima de conspiração plantado pelos boiardos, que nada mais querem que desestabilizar seu governo e destroçar completamentamente a Rússia em Principados menores, tal como foi na época de Nevsky, e são ajudados pelos embaixadores estrangeiros.

    Tal qual clima de conspiração, o embaixador de Livônia incita o braço direito de Ivan, o Princípe de Vladimir, Kurbsky, que o trono russo não é senão direito dele e não de Ivan.

Os boiardos e embaixadores estrangeiros conspirando

     De início,  Kurbsky não dá-lhe ouvidos, afinal ele e Ivan são amigos desde a infância, mas depois quando Ivan casa-se com a princesa Anastacia, por intermédio de Eufrosinia, sua tia, ele sente-se ultrajado com aquilo, pois ele amava Anastacia, e começa a conspirar contra o Czar.

     Nisso, na cena alegoricamente rica, cheia de ornamentos, uma pintura do filme, o casamento de Ivan com a princesa Anastacia, os ricos ornamentos, bem como a riqueza dos detalhes dos talheres, das taças de metal, até mesmo da comida, com seus sultuosos gansos assados sendo levados em bandejas nos ombros dos empregados, tudo isso é lindo de se ver.

     Esse sem dúvida é um dos trabalhos mais ricos em detalhes e ornamentos de Eisenstein, mas não acho que seja o melhor.

     Eis que o povo invade a cena do casamento, e um líder de um movimento campesino, de revoltosos, clama para que o czar não confie nos boiardos que nada mais fazem do que oprimir o povo... Ivan inicialmente despreza o velho líder camponês, dizendo que ele não tem cérebro, fazendo rir assim os boiardos que se cercam a seu lado, e em seguida diz abertamente: "Todo o inimigo do czar deve ser punido e os inimigos do czar são os boiardos!".

     Ivan decretou guerra aos boiardos, um jogo perigoso por sinal, e acabou nomeando o líder do movimento camponês o chefe de sua guarda pessoal.

     Eis que chega um emissário de Kazan (dos tártaros) puto da vida, dizendo que Kazan e o Principado de Moscóvia agora estavam em estado de guerra, e oferece a Ivan, a pena de se suicidar-se para salvar seu reino da destruição da guerra.

    O emissário de Kazan entrega-lhe uma espada retorcida ensanguentada, mas eis que Ivan a pega e começa a fazer um discurso imensamente apaixonado, dizendo que ele não queria a guerra, mas que a guerra lhe era imposta.

   O emissário de Kazan, em certa ocasião solta:

    "Moscou pequena. Kazan Grande"

    Ivan Vassilevich, Grão-Princípe de Moscóvia, então declara guerra a Kazan e termina o seu discurso dizendo: На Казан! (Para Kazan!) e eis que por meia hora os boiardos e os camponeses começam a gritar feito doidos: Na Kazan! Na Kazan! Na Kazan! (На Казан! На Казан! На Казан!)

     O líder do levante camponês segue para o embaixador de Kazan e com um empurrão diz:

     "Kazan Pequena. Moscou Grande".


     O filme é um pouco omisso quanto ao papel da guerra em Kazan, mostrando que Ivan, o Terrível, era contrário que se cometessem atrocidades aos prisioneiros de guerra (o que não é verdade), mas mostra também com maestria o início da traição do braço direito de Ivan, Kurbsky, o gênio militar do próprio czar, que mandou colocar polvóra em uma larga e extensa cadeia de túneis construídos por sua ordem debaixo de Kazan, e a aliança que ele teria com membros da baixa nobreza que serviriam lealmente à sua morte.

Ivan totalmente doente, sendo tratado por sua esposa, Anastacia

     Quando retorna, vitorioso a Moscou, Ivan é acometido por uma doença, e prestes a morte, pede que os boiardos façam com que seu filho seja considerado herdeiro do trono... Ivan é traído.... Graças a sua tia Eufrosinia que quer colocar o seu filho paquiderme e estúpido no comando de Moscou.

     Ivan, no seu leito de morte, quase pra bater as botas, os amaldiçou e pede a unção dos enfermos... Quando tava prestes a cair, e os boiardos prestes a tomar o poder, Kubsky reconhece Dimitri, filho do czar, como herdeiro do trono. Mas isso não foi motivado pela nobreza dele, mas sim, porque ele já estava cortejando a princesa Anastacia e ficou sabendo que o Czar havia se recuperado.
Kubsky tentando ter certeza se o veio havia batido as botas


    Maliouta, o ex-líder camponês que virou chefe da guarda, ficou sabendo por meio de seus ouvidos longos os planos dos boiardos e não hesitou em comunicar o czar... Ivan, decretou agora guerra aos que conspiraram contra ele, entrou agora em guerra contra os boiardos, contra os poloneses e livonianos.
Maliouta e Ivan maquinando outro plano contra os boiardos


    Os boiardos se mostraram muito sem caso para com os anseios do Czar em unificar a Rússia, e fizeram sempre de tudo para atrapalhar o Czar, alguns fugiram, outros mudaram de lado, tal como o príncipe de Vladimir, outros pararam de financiar as guerras do czar (até essa época a guerra era financiada pelos recursos de todos os boiardos), levando Ivan a ter um ataque de fúria, e começar a expropriar para si as propriedades dos líderes boiardos que recusassem a ajudá-lo.

     O pior ato então foi deslanchado por Eufrosinia, a sua tia (que convenhamos, na altura do filme, a gente sente um ódio por ela, porque fica sempre fudendo com a vida de Ivan, e sentimos vontade de pular na tela e bater na cara da vadia que parece um homem), quando traiçoeiramente, ela envenenou a esposa do Czar, Anastacia, com um pouco de vinho.
 
       Ivan fica totalmente abalado com a morte de sua esposa, e percebendo que estava cercado de inimigos, o czar decide abdicar e se isolar em sua casa de campo na vila de Alexandrov.

     Sozinho, e totalmente solitário, o czar cercou-se de elementos de sua guarda, agora chamados de Oprichiniki, e ficou esperando... esperando, enquanto seus emissários discursavam em Moscou.

    Eis que um dos emissários discursa na Praça Vermelha, com a Catedral de São Basílio ao fundo:

      "O czar Ivan Vassilevich abdicou o trono em razão dos inúmeros empencilhos que os boiardos causam em seu governos, e convoca a todos, todos os verdadeiros cristãos de bem, que sigam o seu chamado e apareçam a Alexandrov"

     Era uma tática arriscada, o Czar abdicou para enfim voltar nos braços do seu povo e ter assim plenos poderes, o estúpido e insandecido Jânio Quadros tentou usar essa tática no Brasil, e bem, digamos que não deu muito certo, talvez porque isso diretamente contribuiu para ascensão do Regime Militar. Talvez, Janio se deu mal por não ser um Czar e não ser assim tão popular.

    Em todo caso, Ivan, esparançoso, por uma ajuda dos ingleses, que forneceriam armas, e equipamentos modernos, e com quem ansiava fazer negócios, principalmente com a Rainha Elisabeth I, espera, espera... espera até o seu voto, num coro de Deus Salve o Czar! aparecer na vila de Alexandrov e gritar:

    "Volte para nós! Volte para nós!"


    Eis que se faz a minha cena favorita do filme inteiro, quando Ivan se levanta, vai para a janela, e ouve tristonhamente, meio encurvado em seu cajado, o povo chamar-lhe de volta... E a orquestra de Prokofiev começa a tocar uma melodia tão linda, tão mórbida e ao mesmo tempo viva,  que Ivan pega a sua ushanka e vai em direção de volta à sua liderança.

Cena final do filme


    Era a cena final do filme.


    O trabalho de Eisenstein nesse filme, embora tenha sido excepcional, com rigores técnicos, riqueza de detalhes e ornamentos, foi extremamente censurado por sua representação dos líderes e do próprio Czar, que é mostrado volta e meia hesitante, meio esquisofrênico, mas decerto não foi tão censurada quanto a parte 2.

     Em todo caso, Eisenstein faz o roteiro do   filme sobre o tsar Ivan IV na primavera de 1941. A Mosfilm aceita o projeto um pouco antes da URSS entrar em guerra contra a Alemanha. A empresa vê aí um novo pretexto, depois do Alexander Nrvsky, para exaltar o sentimento nacional. A filmagem começa em 1 de fevereiro de 1943 no estúdio de Alma- Ata, com a guerra impedindo que se filmasse em Moscou.

    Assim que o filme foi lançado, em 1944, foi um  sucesso de bilheteria, e Eisenstein caiu nas graças do povo.



Parte 2

   A parte 2 de Ivan, o Terrível, intitulada de "A Conspiração Boiarda",  só saiu na Rússia e no mundo em 1958, devido aos corte que o filme levou, Stálin mesmo criticou o filme por achá-lo com "beijos demais" e mostra o Czar como vacilante e também, os dirigentes soviéticos viram neste Ivan, em seu amigo Maliouta e nos Opritchnicks uma metáfora mal velada de Stalin, de Beria e dos homens do NKVD.


     O filme em si, possui muita ausência do povo na condução da narrativa, dá importância primordial dada às intrigas da corte, e tem um pouco formalismo (o que era ruim, considerando que a conduta oficial dizia que formalismo era contrarrevolucionário).

        De fato:

     "É impossível negar que estas críticas concernem ao corpo essencial do filme, e se evidentemente temos de condenar a condenação, devemos assinalar que esta não é baseada – uma vez que isto não costuma acontecer- num mal –entendido.

       Nas duas partes da obra, Eisenstein deliberadamente sacrificou o histórico ao poético e ao trágico. Seu Ivan é um personagem shakespeariano, invadido pela dúvida e incerteza, às vezes mesmo roído pelo remorso, muito mais em luta consigo mesmo e contra seus próximos do que contra o inimigo estrangeiro.

      Seus adversários privilegiados são a nobreza, os boiardos, sua própria família e seus amigos; seu combate permanecerá individual, solitário, até mesmo confinado, mesmo se os temas em jogo são nacionais e imensos.

       Tirando a sequência do cerco de Kazan, o povo, as massas, e portanto a epopéia estão ausentes das duas partes do filme. O povo só intervém concretamente na procissão que encerra a primeira parte: sua única iniciativa consistirá em uma súplica com o objetivo de fazer com que Ivan volte para Moscou, exatamente como este havia previsto, ao se retirar provisoriamente em Alexandrov.

       Vistos por Eisenstein, a tragédia e o destino de Ivan são aqueles de um homem que não pôde se tornar o herói épico que desejava ser, constantemente impedido por seus próximos de se comunicar com o povo e de associá-lo às suas lutas.

        Em um outro nível, o destino de Eisenstein foi também o de não ter podido ser, por não ter nascido em uma boa época e meio, um poeta elizabetano, ou um grande cineasta hollywoodiano dos belos tempos ( uma espécie de poeta épico, à maneira de King Vidor por exemplo).

        As duas partes de Ivan, e mais especialmente a segunda, testemunham da ambição de Eisenstein de utilizar o cinema como arte total; mas a realização desta ambição se encontra limitada pelo caráter essencialmente teatral da intriga e do personagem central.

      Nenhuma dúvida de que a segunda parte é superior à primeira: podemos até mesmo dizer que ela não prolonga realmente a primeira, mas a refaz, a repete enriquecendo-a e lhe conferindo maior densidade. O caráter trágico e quase claustrofóbico do destino de Ivan torna-se mais e mais evidente, e a contribuição da cor dá uma dimensão extraordinária à concepção cara a Eisenstein do cinema como arte total.

     Ivan, o Terrível representa também o termo da evolução de Eisenstein em direção ao formalismo, ao mesmo tempo que seu máximo distanciamento das massas como o tema ideal de uma obra de ficção.

     Todavia, seria completamente errôneo dizer que Ivan constitui o triunfo do indivíduo no cinema de Eisenstein. Isto equivaleria e esquecer a total inaptidão do cineasta em representar o indivíduo em sua intimidade e verdade concreta. Os personagens dos dois filmes são, mais do que seres de carne e osso, marionetes alucinadas, ou máscaras, que tiram o essencial de sua força- que se pode julgar ultrajosamente artificial- de sua posição no interior de uma geometria plástica dos planos e do découpage.

       No plano visual, a metáfora do xadrez nos vem imediatamente ao espírito, os personagens e sobretudo os atores do filme não sendo nada além de peças manipuladas de cima pelo cineasta-demiurgo[...]"

      

        Esse é um trecho da crítica que crítico de cinema, Jacques Lourcelles, fez a Ivan, o Terrível, o que compartilho com esse crítico é que sim, o segundo filme é muito superior ao primeiro, mesmo tendo uma intercalação estética, que acho rídicula, de cenas em preto e branco e outras coloridas.

        O segundo filme é muito mais sentimental, mais bem desenvolvido em torno da ótica de conspiração, da volta e meia de martírio que o Czar possui por suas ações, pelas traições, o modo como o Czar manipula as pessoas.

Ivan manipulando o seu primo Vladimir

          O Segundo filme começa quando, numa sessão da Corte Polonesa,  em Cracóvia,  presidida pelo rei Sigismundo, Kurbsky se apresenta para ser subordinado ao rei polonês e é impossível não rir da cena.

         Sigismundo, todo enfeminado, na apresentação de Eisenstein, pega de leve o florete de Kurbsky e manuseia de leve com a mão a espada e a entrega de volta, Kurbsky, mais homossexual ainda, pega a espada e passa cheirando a lâmina enquanto olha para Sigismundo com outros olhos.

      Você para e pensa:

     "Que bando de viados! Até o Justin Bieber é mais macho que esses dois!"
Cena da Corte do rei Sigismundo
         E as cortesãs? As cortesãs então, tudo frescas, gordonas, uma coisa talvez tão risível quanto a viadagem dos dois. A cena da corte do rei Sigismundo sem dúvida é uma das mais divertidas dos dois filmes.

           É também no Segundo Filme que se mostra o Czar ainda criança, quando começa a ver as constantes brigas entre os boiardos e acaba formentando o seu ódio contra eles, mostrando na clássica cena de quando Ivan vê sua mãe ser envenenada.

Ivan quando criança

       A Conspiração Boiarda também mostra o plano de Eufrosinia de colocar o seu filho, um abobalhado com cara de mulherzinha, no comando do trono de Ivan, com a prerrogativa máxima, matar o Czar... O czar desarticula o plano, e bem, vocês tem que ver o que acontece.
Maliuta está de olho


        Mesmo a parte 2 sendo superior a parte 1, o primeiro filme também está num patamar superior, num patamar relevante aos filmes de Eisenstein, e muito, mas muito superior a certos filmes a mim contempôraneos, o filme querendo ou não, pode ser omisso em relação a algumas características de Ivan, mas as cenas em  que o povo aparece também não são de se descartar, tudo foi muito bem feito, incluindo a trilha sonora de Prokofiev, que volta e meia é sombria, tristonha, outras envolve o amor por Anastacia, outras se torna intesa, pulsante, com a ótica da conspiração e ainda tem momentos que faz você pulsar, querer se emergir no filme totalmente, é uma música tão esquizofrênica, tão bipolar, quanto o próprio Czar, mas ainda assim é bela.

       Eisenstein termina a montagem da segunda parte em fevereiro de 1946. A doença e as críticas oficiais suscitadas por esta segunda parte o impedirão de rodar a terceira parte, apesar de esta ter sido minuciosamente escrita e preparada.

        Na terceira parte ( intitulada: Os combates de Ivan), o Czar, agora aliado à Inglaterra, deveria enfrentar vitoriosamente as tropas livonianas.
         Kurbsky morreria em um castelo, cuja explosão teria sido voluntariamente provocada por um dos seus homens, a fim de evitar que este caísse nas mãos do inimigo. Maliouta morreria também nesta explosão.

      O filme deveria ter terminado com uma proclamação de Ivan, afirmando que de agora em diante a Rússia permaneceria no Báltico. Absolutamente falsa historicamente, pois essa filmagem beneficiava Ivan com as vitórias conquistadas mais tarde por Pedro, o Grande.

         Em setembro de 1946, o Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética condenou Eisenstein nestes termos:

 " O metteur em scéne Sergei Eisenstein, na segunda parte do filme Ivan o terrível, revelou sua ignorância dos fatos históricos ao mostrar a progressista guarda de Ivan o Terrível como um bando de degenerados, do gênero Ku Klux Klan, e o próprio Ivan o Terrível, que possuía vontade e caráter, como frágil e indeciso, um pouco à maneira de Hamlet".

          No entanto, o Conselho Artístico do Ministério da Cinematografia apreciou o filme, mas a última e definitiva condenação veio do Kremlin e a segunda parte só saiu na Rússia e no mundo em 1958.
Kurbsky sem vergonha, cortejando Anastacia






                          


Ivan tá podendo, tomando banho de moedas, assim as mina pira!





                          
                             









Segue a seguir as duas partes de Ivan, o Terrível. ( Com legendas em Inglês)


Parte 1





Parte 2

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Ana Akhmátova


Música

Algo de miraculoso arde nela,
fronteiras ela molda aos nossos olhos.
É a única que continua a me falar
depois que todo o resto tem medo de estar perto.

Depois que o último amigo tiver desviado o seu olhar
ela ainda estará comigo no meu túmulo,
como se fosse o canto do primeiro trovão,
ou como se todas as flores explodissem em versos.


(1958)

File:Petrov-vodkin-akhmatova.jpg
Ela era realmente bonita












            Ana Akhmátova, pseudônimo da russa Ana Andreievna Gorenki, nasceu nos arredores de Odessa em 1889 e morreu em Leningrado, em 1966, foi uma das maiores poetisas russas no período soviético.


         Sempre muito melancólica e tristonha, seus versos passavam uma certa depressão, talvez decorrente das inúmeras perseguições que autora passara em vida, por causa do regime stalinista. Akhmatova viu muitos de seu companheiros, poetas, serem consumidos pela repressão, tal como Maiakovsky que se suicidou em virtude de perseguições impostas a ele pelo Realismo Socialista, Boris Pasternak que foi preso por fazer poemas satíricos e Ossip Mandelstam que fez um poema satírico sobre o líder soviético, Iossif Stálin, e acabou morrendo na prisão.

       Começou a escrever poesia aos onze anos de idade, mas o pai, um engenheiro naval, temia que Anna viesse a desonrar o nome da família, convencido de estar a adivinhar hábitos decadentes associados à vida artística. Assim, assinou os seus primeiros trabalhos com o primeiro nome da sua bisavó, Tatar.

      Apesar do seu pai ter abandonado a família, quando Anna contava apenas dezasseis anos, ela conseguiu prosseguir os seus estudos. Portanto, não só estudou no liceu feminino de Tsarskoe Selo e no célebre Instituto Smolnyi (que era uma escola para moças bancada pela czarina) em São Petersburgo, como também no Liceu Fundukleevskaia de Kiev e numa faculdade de Direito, em 1907.

       A obra de Akhmatova compõem-se tanto de pequenos poemas líricos como de grandes poemas, como o Requiem, um grande poema acerca do terror estalinista. Os temas recorrentes são o passar do tempo, as recordações, o destino da mulher criadora e as dificuldades em viver em escrever à sombra do estalinismo.

      Ela casa-se com o poeta Nikolai Goumilev em 1910, e o filho deles, nascido em 1912,  Lev Goumilev, acabou se tornando historiador .

     Em  1921 o seu marido é executado por causa de actividades consideradas anti-soviéticas e Akhmatova foi forçada ao silêncio, não podendo ter sua poesia  publicada de 1925 a 1952 (excetuando o breve período de 1940 a 1946).

      Excluída da vida pública, vivendo de uma irrisória pensão e forçada a ir fazendo traduções de obras de escritores como Victor Hugo e Rabindranath Tagore, Akhmatova começou, após a morte de Estaline, em 1953, a ser reabilitada.

À Vida




Não roubarás minha cor
Vermelha, de rio que estua.
Sou recusa: és caçador.
Persegues: eu sou a fuga.
Não dou minha alma cativa!
Colhido em pleno disparo,
Curva o pescoço o cavalo
árabe -
E abre a veia da vida.



Marina Tsviétaieva
Tradução de Haroldo de Campos
(Nova Antologia Poesia Russa Moderna
Editora Brasiliense/1985)

File:Marina Tsvetaeva 140-190 for collage.jpg



        Marina Ivánovna Tsvetáyeva, foi uma poetisa e tradutora russa famosa por seus poemas deprecivos e quase sempre com um caráter um pouco suícida.

        Nascida em Moscou, no dia 26 de setembro de 1894, filha de Ivan Tsvetayev,  professor de Belas Artes na Universidade de Moscou, e de Marina Meyn, uma concertista de piano, altamente culta,  pertencente à aristocracia polonesa, com também antepassados alemães.

      Marina Tsvetáyeva perdera muito cedo sua mãe, quando tinha 14 anos, de tuberculose, e muito cedo a jovem foi viver na Europa, onde começou a se dedicar aos estudos, cursando na universidade de Sorbonne História da literatura.

     Fluente em francês, italiano e alemão, Tsvetayeva logo tivera contato com o Movimento Simbolista na Rússia.

     Tsvetayeva casou-se então com um jovem cadete da Academia de Oficiais, chamado Sergei Efron, com quem tivera duas filhas.

    Efrom, um jovem oficial leal ao czarismo, engajou-se na luta do Exército Branco durante a Revolução Russa, e a jovem poetisa acabou ficando em Moscou com suas filhas, sobrevivendo à Grande Fome que se abatera na Capital em 1919.

      Chocada com a extrema violência com que os eventos que ocorreram após a Revolução Russa, Tsvetayeva teve de exilar-se em Praga, no ano de 1922, mudando-se depois, em 1925, para França, junto a seu esposo Neste último país viveram catorze anos, onde ela sempre se mantinha deprimida. 

     No exílio, ela tivera um filho chamado Georgy.

     Retornou à União Soviética para se juntar ao marido, Sergei Efron, que retornara para a Rússia por saudades, e com sua filha Ariadna, em 1939.


     Naquele mesmo ano Sergei e Ariadna foram presos, ele acabou sendo fuzilado em 1941. Ariadna foi presa, mas acabou sendo reabilitada em 1955. 

     A poetisa acabou caindo em desgraça em seu país, com a desaprovação oficial, não conseguia morada nem trabalho, vivendo em grande pobreza. Sua filha Irina foi entregue a um orfanato onde veio a morrer de fome.

      Quando teve início a Grande Guerra Patriótica , Marina foi evacuada para a cidade de Ielabuga, no Tartaristão, onde veio a se suicidar em 1941, sua obra poética  foi salva da destruição e do esquecimento por sua filha, Ariadna Efron.

       Durante o regime soviético permaneceu inédita até depois da II Guerra, quando passou a ser publicada em folhas clandestinas.




Alexander Nevsky (crítica de filme)




        Sem dúvida, um dos meus passatempos preferidos é assistir filmes, mas não só filmes, filmes clássicos com conteúdo, e principalmente que me ensinem alguma coisa, que me façam rir, me façam chorar, me façam refletir, me façam pular... Esse é o meu estilo de filmes.

      Eu, pessoalmente, gosto muito dos filmes clássicos, pois além de terem prestígio (o que reduz as chances de eu assistir a um filme ruim, afinal coisas ruins não passam pelas décadas), eles me fazem refletir no imaginário do passado, o que é relevante para um Historiador como eu.

     Tal desses filmes, os que mais prefiro certamente são os de Sergey Eisenstein (que fiz uma penca de postagens em sua homenagem), mas também gosto de Chaplin, Orson Welles, Felinni, filmes europeus, como  Cinema Paradiso, A Espiã, entre afins, cinema soviético também eu gosto muito, cinema americano (que não seja muito comercial, porque de comercial só gosto do Indiana Jones e do Star Wars), e do brasileiro, só gosto de um, porque é quase filme europeu em temântica ( O dia que meus dias saíram de Férias).

     Mas talvez o filme que eu tenha mais gostado tenha sido Alexander Nevsky.





     Sim, Alexander Nevsky, o filme de 1938 de Eisenstein, que narra a história do príncipe russo que se levantou contra os alemães, os suecos e os tártaros no século XIII ( eu nunca aprendi tanto sobre Idade Média quanto nesse filme).

      Muitos falam que o Encouraçado Potemkin é sem dúvida o maior trabalho de Eisenstein, talvez até tenha sido, afinal o Encouraçado Potemkin era um filme bastante avançado para sua época, e até hoje, mas o meu filme preferido ainda é Alexander Nevsky.

      Isso pode ser visto como "anti-revolucionário" por alguns marxistas, mas eu pouco ligo, eu gosto desse filme e ponto.

     Mas por quê?

     Porque esse foi o primeiro filme falado de Eisenstein, esse foi o primeiro filme que Nikolai Cherkasov, o ator principal que tinha um vozeirão e uma atitude imponente, foi finalmente reconhecido, e esse foi o primeiro trabalho conjunto de Sergey Eisenstein e Prokofiev.


Cena de Nikolai Cherkasov no papel do Principe Nevsky
     Prokofiev, mesmo tendo uma qualidade razoável do áudio,  produziu uma trilha sonora tão pulsante, tão viva, que em certo momento você tem vontade de se levantar do sofá  e entrar na tela guerreando contra os alemães na Batalha do Gelo.


     Prokofiev conseguia trazer a noção de movimento à música quando os exércitos se moviam (Villa - Lobos fez algo semelhante no seu Tremzinho Caipira), reduzia o som quando era uma cena triste, tocava som de flautas e clarinetas quando eram festas, tocava som de orgãos e cornetas quando eram músicas sacras e de guerra (o tema sobre os teutônicos ficou impecável, tanto que acabou sendo copiado na trilha sonora de Conan, o Bárbaro) e ainda conseguia reunir um coro polifônico russo que cantava entre os momentos de silêncio da filmagem.

     A atuação de Cherkasov também foi impressionante, nunca vi um ator trabalhar tão bem um papel de um comandante militar medieval como ele, com a atitude imponente, o rosto sempre voltado para o alto, o corpo esguio, o vozeirão, as feições na montaria, nas ordens. Perfeito.

Nevsky em seu cavalo

     Eisenstein na direção das imagens também foi bastante rigoroso, cada cena, cada ação parece uma pintura extraída de um livro de história, as roupas, os uniformes, os aparatos militares dos atores, disponibilizavam um efeito visual impressionante.

    Eisenstein ainda foi bem rigoroso com os detalhes, com as roupas civis da época, com as túnica, com as bandeiras da República de Novgorod, com os equipamentos teutônicos, os capacetes quadrados, em forma de torre, dos cavaleiros que vestiam capas brancas com a cruz da ordem teutônica e os soldados usando uma espécie de um elmo medieval meio arrendondado semelhante ao capacete usado pelo Wermarcht na década de 30.

   E a cena de atuação, Eisenstein, embora tivesse que centrar na figura central, o príncipe Aleksandr Nevky, mostrava com  destaque cenas de traição, quando os boiardos de Novgorod tentavam dissuardir o povo a entrar em guerra contra os teutônicos, ou mesmo a cena da captura de Pskov, quando pessoas foram enforcadas e crianças jogadas a uma fogueira (os efeitos especiais foram muito bem usados nesse caso, tanto que nenhum ator se machucou), fazem você se revoltar com a truculência dos alemães.

Os cavaleiro da ordem teutônica, de capacete quadrado, e os soldados alemães agachados.


    O filme segue também os príncipios do Realismo Socialista, tanto que muitas vezes a questão das massas era enfatizada, tanto que algumas cenas algo inusitado acontecia... A decisão de Nevsky em convocar os camponeses para guerrear era uma coisa rara na Idade Média, e raramente acontecia.

     A revolta popular em Novgorod pressionando os governantes para uma guerra também não era algo comum, além de que o fato de ferreiros entregarem toda a sua produção em prol de uma causa única ("a defesa da Terra Mãe"), mulheres indo ao combate (Isso era mais raro ainda, na Rússia mesmo, mulher só vai lutar na Primeira Guerra Mundial).

Mulher lutando em exército Medieval, isso era muito raro.

      Mas mesmo assim, o filme é envolvente, com cenas de personagens realizando tramas secundárias em torno da História principal, o ferreiro tentando se afirmar como um bom soldado, leal a Nevsky, uma soldado que entra na guerra para vingar a morte de seu pai, e dois cavaleiros de Novgorod, Buslai e Gavrilo, que apaixonados por uma dama de Novgorod, fazem um pacto sobre a mão da moça, quem fosse o mais valente na batalha poderia se casar com ela.
Buslai e Gavrilo, dois cavaleiros de Novgorod


      O filme, como todos os filmes de Eisenstein, é um filme político. Ele mostra que desde o início os alemães eram uma ameaça, influenciado certamente por sua época de produção e lançamento (o filme é de 1938, quando os nazistas estavam ascendendo na Europa),  e explica alguns comportamentos do próprio governo soviético da época.

      Como por exemplo, o fato de que Nevsky não ter entrado em guerra contra os tártaros que estavam fazendo o Diabo na Rússia, porque além de serem mais fortes, os tártaros não representavam uma ameaça a cultura russa, afinal os próprios tártaros deixavam os povo dominados manter sua cultura, apenas demandavam pagamento de tributos, mas os alemães não, os alemães, como diz um bispo em um cena, não admitem "que haja alguém que não se submeta a só um Papa.", dessa maneira, os russos deviam ser "submetidos a Roma".
Nevsky se encontrando com o líder da Horda Tártara, Sartaq Khan.

      Nevsky fala em uma cena que os tártaros, apesar de terem feito um banho de sangue, não eram um problema imediato, e que os alemães eram, e quando os alemães fossem derrotados, aí poderiam voltar suas atenções aos tártaros.

     Assim, isso acaba fundamentando a aliança que Nevsky acabou fazendo com a Horda Dourada Mongol, fundamentando que isso era apenas um pacto temporário e que logo em seguida ele seguiria ao ataque contra os mongóis (tal era a visão do governo soviético da época).

     Em uma das cenas iniciais do filme, quando se discute a entrada de Novgorod na guerra, os governantes de Novgorod dizem que não vão entrar em guerra contra os alemães, pois eles assinaram um pacto, e que caso os alemães quisessem guerrear, eles entregariam mercadorias para que isso não acontecesse. Isso foi praticamente o que aconteceu logo após a Assinatura do Pacto Nazi-Soviético, e essa foi a postura do governo soviético diante a eminência de uma invasão alemã em seu território. Não a toa que o filme foi retirado de circulação nessa época.
Cena da Batalha no Gelo

    O filme  Alexander Nevsky, apesar de ser um filme político, me ensinou muito sobre o contexto das Cruzadas do Norte, deflagradas pela Ordem Teutônica no século XIII contra os principados Russos, me ensinou como era a relação de submissão ao poder dos mongóis, me ensinou como era o gênio militar de Aleksandr Nevsky (que com uma tática muito esperta, de fazer os alemães se agruparem num lago congelado, que estava prestes a despedaçar e assim matando os alemães afogados), mas além disso me ensinou como era o imaginário popular soviético anterior ao Pacto Nazi-Soviético.

O fim dos alemães


    É por isso que gosto muito desse filme.

    No final tem a clássica frase de Nevsky dizendo: "Quem pela espada vier a nós, pela espada será ferido! Assim é, e sempre será na Terra Russa".


Filme na íntegra


       O Youtube disponibilizou um canal do filme na íntegra (com legendas em inglês) que estou disponibilizando agora:



Curiosidades 


  •  Alexander Nevsky era popular na Rússia até a 24 de agosto de 1939 e, em seguida, por algum motivo, caiu rapidamente em desuso. Felizmente para Eisenstein, mas infelizmente para os alemães e os russos, o filme teve um revés muito bem sucedido em 22 de junho de 1941, quando os alemães invadiram a União Soviética. Se você tiver qualquer dúvida de que Alexander Nevsky era especificamente sobre a defesa da Rússia dos alemães, observe o quanto os capacetes dos soldados alemães lembram Stahlhelme usado pelo Wermarcht.    
Notem as semelhanças


  • A orquestração de Prokofiev foi gravado com o tipo de experimentação sónica . Um dos muitos exemplos: o som das cornetas de batalha foi criado se colocando os microfones muito perto. Mas é difícil dizer exatamente como Prokofiev e Eisenstein queriam que o som aparecesse no filme , porque há alguma evidência de que a trilha do filme foi lançado com uma faixa de áudio temporária. Uma versão inacabada foi apresentada a Stalin, que o aprovou para a liberação. Provavelmente, sabiamente, ninguém na Mosfilm deixaria Eisenstein alterar um único frame depois disso. 
  • Talvez seja uma coisa russo, mas como Tarkovsky em Andrei Rublev, Alexander Nevsky tem muitos tiros que parecem ser projetado em torno de geometria abstrata ao invés de composição mais convencional. Este, por exemplo:

Essa cena é muito abstrata

Aço incandescente II

         Esperanças e medos          "Todas as vezes que penso na grandeza desses dias, penso em Maiakovsky:                 'C...