sábado, 24 de março de 2012

ENEM ( uma tolicie sem igual)



         Certa vez passava pela rua quando vi desesperados alguns estudantes do ensino médio da Escola pública, eles estavam fazendo uma vaquinha para comprar uma revista para se preparar para o Exame Nacional do Ensino Médio (vulgo: ENEM).


        Obviamente eu não percebi o porquê daquela preocupação dos garotos, além porque o ENEM não é tão difícil de se passar assim. Avaliemos as questões de História, questões de ordem prática, das quais posso dissernir algumas palavras:
http://www.replicante.org/wordpress/wp-content/uploads/2010/11/ENEM-Exame-Nacional-do-Ensino-M%C3%A9dio1.jpg
O Enem

        O que o ENEM cobra?

        Cobra que você saiba que quem foi o carinha que saiu do Porto de Lisboa em 1500 e que no meio do caminho se perdeu e acabou caindo na Ilha de Vera Cruz e os positivistas  clamam como descobridor do Brasil.

1) Pablo Neruda
2) Pero Vaz de Caminha
3) Pedro de Alcântara Carlos
4) Pedro Alvares Cabral

           Se você errou essa, pode-se dizer que até no ENEM você reprovou, o que é uma coisa ruim. Ruim, não por ser o ENEM uma coisa ruim, ruim por ser o ENEM uma coisa tão fraca e tão inferior no circulo acadêmico que você pode sofrer bullying com isso. Ninguém, em um mundo ideal, consegue reprovar no ENEM.

           Primeiro, História, História mesmo, o Enem cobra quase nada, é uma prova de conhecimentos gerais, tão fácil quanto aquelas cruzadinhas do Jornal de Domingo, até mesmo porque os textos disposto na prova praticamente te dão a resposta, basta ter boa interpretação.

Uma típica questão do ENEM
           O problema do ENEM é que ele julga por baixo a capacidade dos alunos de aprendizagem, primeiro, porque se eles colocassem uma proa rigorosa padrão Unb, quase setenta porcento das pessoas, ou mais, não iam passar, e isso mostraria tão cadente é o nosso sistema de ensino, segundo, não haveria ninguém, nenhum tolo qualquer que iria entrar na faculdade pública e pagar o emprestimo que o governo dá, com dinheiro público (que notavelmente é desviado), aos alunos para pagarem a universidade particular de quinta qualidade.


          O Brasil precisa formar engenheiros, mas precisa ainda mais enganar seu povo, dizendo que dá oportunidades para todos poderem crescer. Isso é uma ignonímia, se considerarmos que no Ensino Básico deixa-se passar erros graves de redação e da matemática, erros os quais perduram até o âmbito acadêmico.

         Aí não é só problema do governo, que já paga mal para todos os funcionários de ensino, e não investe em novas escoals, é um problema de desvio sistemático de verbas da Educação e um desinteresse crescente dos profissionais da Educação (ninguém mais quer ser professor, até mesmo por questão social).


         A escola pública básica é uma das coisas mais tristonhas que já vimos, pois além de encontrarmos a falta de carteiras para os alunos sentarem, falta de giz por exemplo, professores (honestos ou não) ficam por tempo demasiado de licença.

          Além disso, vivenciamos na educação um gigantesco problema, pois além de não haver empenho do Governo na Educação, também não há empenho dos pais em educar seus filhos... Tanto que não são raros os caso de crianças mal-educadas e mimadas baterem em seus professores e serem suportadas por seus pais irracionais que sempre julgam o professor como culpado.

É assim agora


Íliada não é um pouco demais?
             Acrescenta-se aí o fato de que são poucos os pais ( notadamente os pais com melhor condição financeira ou com verdadeiro empenho para com a vida dos filhos) que incentivam desde as idades terrenas ao contato com os livros, e sim, as crianças estão ficando acostumadas mais cedo a ficarem em frente a TV e ao videogame.

              Tem ainda o problema da grade curricular do ensino, que importamos do ensino francês anterior aos anos 60, em que levamos os jovens a ler clássicos à força, sem terem contato com o vcabulário totalmente ultrapassado, como por exemplo Ilíada e Odisseia, Camões e afins, enquanto livros atuais ou mesmo mais indicados para as idades dos alunos são desconsiderados.




            Esquecem-se os educadores que os nossos pais aprenderam a ler foi com os gibis, por que não usar mangás o mesmo revistinhas em quadrinhos para ensinar as crianças a ler nas séries iniciais?



            Há ainda uma valorização absurda no ensino de materias que envolvam ciências exatas, como a matemática, herança maldita do positivismo, na qual criamos nada mais que robôs que tentam resolver cálculos absurdos sem sequer souberem problematizar problemas políticos, como os sistema parlamentar brasileiro.


           Einstein não era gênio por ter desenvolvido a Teoria da Relatividade ou  ter efetuado os cálculos da velocidade da Luz,  mas era um gênio por não só se prender a isso e ter pelo menos o senso crtítico de sua sociedade.
 

           Poucos aqui sabem que o Superman foi desenvolvido (mesmo que porcamente) nas ideias de Nietzsche, que o Mar Negro tem esse nome porque suas águas tem uma coloração escura, ou mesmo sabem problematizar que não importa se o Brasil foi descoberto em 1500, mas que a identidade Brasileiro só foi surgiu no século XIX com os nacionalismos, e ainda não é tão forte quanto os regionalismos.

          Poucos sabem que para enfretar o governo não há necessidade de advogado, que o sistema político instalado é tão arcaico que remonta à época clientelista da República do Café.

          É de proposito que o ensino é sabotado, não só porque as elites sentem medo de que se o cidadão ao desenvolver um senso crítico se revolte contra elas, abrindo margem para uma Revolução (Chega a ser um milagre que desde a vinda da Família Real, o Brasil tenha assistido apenas golpes militares desencadeados pelas elites, mas nunca revoluções desencadeadas pelas massas). As elites não gostam que os cidadãos comuns possam ter um senso crítico que as contraponha em seus luxos, e muito menos que iniciem uma revolta popular, não à toa manipulam a mídia.




         Chega de bater só na mídia, tá na hora de bater no cidadão comum. Você fica dizendo: "Ah, eu sou manipulado, eu sou manipulado!", mas você é o primeiro ao assisitir o Big Brother, votar em que vai ser o líder, reclamar no Jornal Nacional que o Sarney faz isso, faz aquilo, que o país não presta, mas é o primeiro a subornar um guarda de trânsito para lhe tirar a multa, e sim você fica puto quando o Ricardo Teixeira rouba milhões da CBF, que nem é pública, mas vira as costas quando Valdemar da Costa Neto, um reconhecido corrupto, sai ileso de uma investigação. Você é o hipocrita dessa história! A sociedade brasileira só é o reflexo do que você e outros são!








            Do que falava mesmo? Ah, sim, educação! Já basta o Cristovam bater todo dia na lente do seu teleivisor, dizendo que a resposta é: "EDUCAÇÃO! EDUCAÇÃO! EDUCAÇÃO", porque a palavra em si só serve pra pontuar o dicionário do Aurélio, pois educação, educação mesmo não precisa ser toda hora dita, ela é feita!

Ele fica falando isso a um tempão, mas quando foi Ministro da Educação, pouco fez também


           Levante esse traseiro gordo da poltrona do seu sofá, desligue a novela das 9, e vá ler um livro, ou se não tiver livro, no pior dos casos, leia a Wikipédia. Pois o ensino não acaba quando você tem um diploma, ele só acaba quando você morre de velhicie!



            Voltando ao ENEM, os absurdos que encontramos nas provas mostram sim a carência do ensino educacional brasileiro, uma carência que remonta sim desde a Ditadura (existe a lenda que o ensino no Regime Militar era melhor, mas isso era uma grossa mentira! Meu pai estudou nissso e tem problemas reais para problematizar algumas questões e até mesmo de redação).


             Os governos, tradicionalmente pouco investem em educação,a exceção talvez tenha sido à época do Positivismo, que querendo ou não, na República Velha se instalaram as primeiras escolas, mas essa noção educacional só tinha a ver com a visão positivista de "civilizar" uma nação de iletrados.


              Pois eis que no período Vargas, e principalmente no período republicano paternalista, o Populismo, as elites perceberam que era mais vantajoso ter as massas em constante estado de alienação, do que educá-las para por fim acontecer o mesmo que com a Rússia. Uma Revolução (O Brasil esteve muito perto disso, na Coluna Prestes, mas nessa época Prestes não era comunista, e não teve nenhuma oportunidade de instalar revolução na afamada Intentona Comunista).


            Agora que o Brasil despontou como uma grandeza no mercado internacional, as elites perceberam que precisavam de trabalhadores capacitados para produzir os seus produtos. Isso quer dizer, agora incentivam os empregados a aprenderem, mas numa corda tênue, não deixando que eles possuam senso crítico;




          Em outras palavras, estamos criando robôs técnicos sem nenhum senso crítico.

Eis o seu futuro, camaradas, maquinas sem senso crítico


          O ENEM é uma tentativa fadada ao fracasso de inserir individuos sem um preparo escolar bom (isso em virtude da ingerência do próprio estat) no âmbito acadêmico. Ela plurariza o ensino sim, ela insere membros de outras classes na universidade sim, mas não se preocupa em dar a base para que tais alunos posssam exercer seus estudos de maneira justa na universidade, visto que possuem carências de ensino que remontam aos tempos da educação básica.



           Ser universitário não garante mais emprego em virtude disso, pois o diploma não mais garante que esteja capacitado para o mercado de trabalho, afinal de contas, a função da universidade não é sanar as carências do ensino básico, mas desenvolver estudo de qualidade e pesquisas. Não à toa que as taxas de evasão dos cursos universitários no Brasil são realmente altas.

           A proposta do ENEM ser utilizado como critério de avaliação nas universidades, nada mais é que uma ação política de proposta populista, na qual o governante X vê-se com o carisma elevado dentre os estudantes que passaram por esse sistema, pois estes sentem-se priveligiados por tal política, ou mesmo não percebem o que há por trás dela.

As perolas do ENEM



              O ENEM não que produzir outra coisa senão tecnocratas sem nenhum senso crítico, pois essa é a proposta de ensino atual do Ministério da Educação, pois o populismo não sobrevive sem que as massas se vejam alienadas.


                Por essas razões sou contrário ao uso do ENEM como critério de avaliação nas universidades, mas então o que sou favor?


              Sou a favor de que se largue de lado a preguiça com que nós temos ao tratar a educação e nos empenhemos em ensinar as crianças a terem o primeiro contato com o livro, sou  a favor de pressionarmos o governo a melhor  a base de educação, a Educação Básica e a Educação do Ensino Médio.

O que importa é o Ensino Básico, pois nele está a base de toda a cadeia escolar



           Sou a favor de se reestruturar o sistema de ensino arcaico com qual nós nos deparamos, educadores e alunos, excessivamente burocrático e pouco funcional.

            Sou a favor de que os pais envolvam os seus filhos em uma educação continuada, na qual eles próprios desenvolvam seus valores e não deixem aos encargos dos educadores a tarefa de educar as crianças as regras de convivência social.





            Pais, educadores, alunos, uni-vos nessa cuasa justa e proletária, pois sem ela, não há como fugir de esteio estreito de dominação e injustiça!

Eis deve ser o seu dever, uni-vos pela causa educacional!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Assobio '18

A sombra escura paira sobre a cabeça O sabor terroso invade o paladar E sinistramente desce agridoce O medo corrompe meus olhos A frustr...