domingo, 11 de março de 2012

O Maior Erro Humano

"Now I am become Death, the destroyer of worlds"

       Foi com essa citação da escritura hindu, o Bhagavad-Gita, que Robert Oppenheimer descreveu a si mesmo após os testes nucleares em Los Alamos, no Novo México, inaugurando assim a Era Nuclear... Um colega, ao lado de Oppenheimer disse:
File:JROppenheimer-LosAlamos.jpg
Oppenheimer
"We are sons of bitch!" ("Nós somos filhos da puta")

      Não foi uma frase bem emblemática como a de Oppenheimer, mas descreve bem o que eles foram, uns "filhos da puta", não que eu não goste do Oppenheimer, eu gosto do lado pacifista dele depois disso, mas o que não gosto foi o que ele fez, uma Bomba Nuclear.


      Visto que o teste da Bomba Trinity, em Los Alamos trouxe graves efeitos sobre aquela região, e perigos, tal como, o efeito imediato foi transformar a areia do Deserto, com o calor, em vidro! Isso mesmo, vidro! O segundo, foi deixar aquela região contaminada por centenas de anos, além do risco de incendiar a nossa atmosfera (Esse é um risco real que passamos a cada bomba atômica detonada).

       Truman, que estava em viagem, para encontrar-se com Stálin na Conferência de Potsdam foi informado por mensagem cifrada, que o "Bebê tinha nascido, e tudo correra bem" (um eufemismo gigantesco).

       Truman, era o mesmo ser político que caíra por acidente no cargo de Presidente dos Estados Unidos, Harry Truman era um político menor do Kansas que se empenhava apenas em crescer no aparato político americano. Ele não era um político habilidoso, tampouco assemelhava-se ao seu antecessor, Franklin Roosevelt, em carisma e esperteza, um político bronco demais para ser presidente.

Ficheiro:Harry-truman.jpg
Truman, seu idiota




     Mas Truman assumiu os Estados Unidos num momento delicado, logo após a morte do maior estadista americano do século XX inteiro, e talvez de todos os tempos, Franklin Roosevelt... Roosevelt, que desde o início viu o nazismo como uma ameaça (Principalmente diante do que os nazistas faziam com os deficientes físicos na Alemanha, que era de conhecimento do presidente. Franklin Roosevelt tinha uma atrofia nas pernas graças ao Polio, e tinha que andar com a ajuda do Serviço Secreto), morreu justamente quando a guerra já estava praticamente ganha.




       Eis que o seu vice, Truman, que entrara na sua chapa por mero jogo político e não por questão afetiva, assumiu o cargo de Presidente dos Estados Unidos; Para piorar, Truman foi o mesmo carinha que há quatro anos atrás, em 1941, foi contrário a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra e que argumentava da seguinte maneira:

            Deixar os soviéticos e os nazistas se matando na Europa feito doidos, se por uma hora, os nazistas estivessem mal, os americanos deviam dar ajuda, se os soviéticos estivessem mal, os americanos também deviam dar ajuda. Isso quer dizer, literalmente, "deixa os dois se matando e nós colhemos os frutos." Não à toa que Truman era uma persona non grata desde o início em Moscou.
File:Trinity explosion (color).jpg
Los Alamos

          Os Estados Unidos, e os Aliados em geral, se envolveram bem tardiamente numa ação mais efetiva na Guerra da Europa, por volta de 1943, na Sicília ( A União Soviética estava em luta escarniçada desde Agosto de 1941, fazendo de tudo, sacrificando o seu sangue, a sua indústria, a todo custo para vencer a guerra). Os soviéticos esperavam uma ação efetiva desde 1942, quando Churchill e Roosevelt prometeram invadir a Normandia no mesmo ano, mas foram postergando, postergando, e só quando, o Exército Vermelho já tinha atravessado todo o seu território e chegado na Polônia, o Dia D foi lançado. Isso pareceu safadeza.


          Ao final da guerra, Stálin ficou com o mais numeroso Exército do Mundo, com os melhores blindados (Os T-34, IS-2, IS-3 e afins), artilharias (Katyushas), que eram em muito superiores aos aparatos militares ocidentais (Excetuando-se caminhões, rifles, jipes e aviões, que eram realmente muito inferiores aos ocidentais), ficou ainda com Metade da Europa sob o seu controle e o status de vencedor da guerra (e em verdade, foi a União Soviética que acabou com a Alemanha), contablizando um saldo de 22 milhões de mortos.
File:Победа.jpg
O Desfile da Vitória, em Moscou, 1945

        Os Aliados estavam realmente se fudendo no Japão, apanhando poucas e boas, contra os suicidas ataques Banzai!!! (Dá medo até de pronunciar essa palavra), e com os kamikazes.

         Stálin havia prometido a Roosevelt que iria entrar em guerra contra o Japão logo após três meses do fim da Guerra da Europa (e realmente fez, ele deslocou mais de 1 milhão e meio de homens, Sibéria adentro, para iniciar uma ataque contra o Japão, na Coreia e possivelmente na China), e é nesse mesmo tempo que a Bomba foi testada.

Ficheiro:Manchuria 1945-A.PNG
Estava tudo planejado para uma invasão soviética contra a ocupação japonesa
        Os Aliados sabiam que Stálin estava mais poderoso do que nunca, sabiam que ele venceria os japoneses, e sabiam que nem de longe, os americanos iam conseguir alguma coisa no Japão... Foi assim que Truman decidiu o que estava para decidir.

       Truman alegou que isso era para acabar com as pesadas baixas americanas (ainda assim, não comparáveis às soviéticas), mas na verdade, Truman além de querer usar o poder militar das bombas para intimidar Stálin, ele queria conter o avanço, que seria inevitável num prolongamento de guerra, de Stálin no Oriente.

       Primeiro foi Hiroshima, depois Nagazaki. Um imperador se rendeu ao General MacArthur (o imperador tinha provalvemente um metro e sessenta e o MacArthur passa de um metro e oitenta de altura,  nessa diferença já dá pra ver o quanto que os americanos queriam humilhar), num cruzador americano, USS Missouri, para mostrar a força Naval americana. O Imperador perdeu seu status de Deus, mas não foi levado a julgamento. Isso mesmo, o cara que ordenou o afundamento de Pearl Harbor e que assistiu pesados crimes de guerra em Naquim e Xangai, não foi punido. Os Estados Unidos já não faziam mais tanta questão, e além disso, queriam os japoneses do seu lado agora na Sociedade Pós-Guerra.

Ficheiro:Shigemitsu-signs-surrender.jpg
A Rendição do Japão


        Mas Stálin cumpriu sua promessa, entrou em guerra, depois de três meses do fim dela na Europa, e tomou as Ilhas Kurilas, e retomou as Sakhalinas, criando um estado de guerra entre a Rússia e Japão que até hoje é indefinido (Na verdade, o Japão não decretou armísticio a URSS, mas isso não que dizer que a Rússia vá invadir o Japão, afinal de contas, o Japão é protegido pelos Estados Unidos, e seria um rolo diplomático bastante complicado fazer algo assim).

        Stálin achou desnecessária a explosão das bombas no Japão, não por ser humanista, porque de fato não era, mas ele preferiria que tivessem jogado a Bomba na Alemanha, quando a Guerra estava realmente feia para o seu lado, ao invés de jogar contra um oponente que sequer conseguia suportar por mais tempo uma economia de guerra, como o Japão. (As fábricas de armas japonesas estavam um caco, dado ao maciço ataque aéreo americano. Tanto que quando faltava munição nos imprestáveis rifles Akira, os soldados japoneses faziam o ataque suicida a baionetas, o Banzai, para não se entregarem).


Ficheiro:Julius and Ethel Rosenberg NYWTS.jpg
Casal Rosenberg
       O golpe de Truman foi para assustar a URSS, mas tanto ele, quanto os soviéticos sabiam que os Estados Unidos tinham jogado todas as suas cartas fora, e demoraria algum tempo para construírem de novo suas bombas nucleares... Tempo esse que foi aproveitado pela União Soviética para desenvolver sua própria bomba atômica.


       Desenvolver não foi bem a palavra, os soviéticos literalmente roubaram as informações do Projeto Manhatan através de espionagem interna (os serviços soviéticos de inteligência eram assustadoramente eficientes, tanto que a KGB era bastante superior à CIA quanto a obter informações), obtendo ajuda do Casal Rosenberg,  que voluntariamente forneceu dados sigilosos à União Soviética, e por essa razão foram executados pelos Estados Unidos, por Alta Traição, no auge do Marcathismo.

      Além disso, Stálin aproveitou-se da extensa linha produtiva dos Gulags (campos de prisioneiros soviéticos) para a elaboração das peças necessárias para as ogivas nucleares, e encarregou o seu chefe da Polícia Secreta, Lavrenti Béria, no desenvolvimento da Bomba Nuclear. Tudo isso narrado na Corte do Czar Vermelho, de Simon Montefiore.
Béria, pagou os seus crimes ao ser executado


      Beria, como era do seu estilo, ameaçava os cientistas, mantinha-os prisioneiros junto ao seu trabalho e exigia resultados efetivos. O program nuclear soviético teve grandes mentes envolvidas, como o físico Andrei Sakharov.

       O programa atômico soviético, logicamente não seguia quaisquer regras de segurança, os prisioneiros tinham contato direto com as peças nucleares, e muito acabaram sendo expostos à radiação, além disso, houve um agravante: O Acidente Nuclear de Chelyabinsk.








         Chelyabinsk-40, localizada na oblast (região administrativa) de Chelyabinsk, era uma das centrais da rede Gulag que forneciam enriquecimento de urânio necessário para a produção das bombas nucleares,  na época eram ignorados os efeitos da radiação (na verdade, eles não sabiam o que aconteceu com Marie Curie), e os equipamentos para dosagem de radiação não eram precisos, não havia roupas protetórias e muito menos máscaras. "Ninguém conhecia o grau de radiação a que estavam sendo submetidos os trabalhadores e engenheiros".

        Tanto que em 1951, os trabalhadores, em média eram expostos a 113 ber (equivalente biologico a Röntgen, medida de radiação) por anos, 30 vezes a mais que o permitido.

        Todos forma afetados, desde prisioneiros, trabalhadores civis e a propria direção do projeto.

         O reator nuclear de Chelyabinsk foi ligado, logo houveram os primeiros acidentes e imprevistos, e doses de radiação escaparam das chaminés afetando a população local, as pessoas só foram evacuadas alguns anos depois, em 1955.
Ficheiro:Chelyabinsk Alexander Nevsky Church (The Organ Hall) from the south.jpg
A cidade de Chelyabinsk, Igreja Nevsky
        Entre 1948 a 1953, quando foi usado tal reator, a população acabou não sendo informada, e em razão disso, continuou a usar normalmente a água contaminada para a sua vida cotidiana -- para o gado, para o plantio, para beber.

       Acredita-se que esse desastre atomico tenha deixado um número maior de mortos e sequelas do que Chernobyl, contudo foi mantido no mais sigiloso segredo até a queda do Comunismo, quando os detalhes foram revelados em 1995.

        Mas o pior não foi nem isso, quando ligaram novamente o reator, carregado com 150 toneladas de urânio, no dia 8 de junho de 1948, houve uma falha técnica, e os tubos de alumínio, essenciais no processo de fissão acabaram sendo corroídos, e um problema surgiu... Sem isso, tudo podia ir pros ares! Vazou-se um pouco de plutônio e decidiu-se desligar o reator. Stálin foi informado.

       Havia agora duas soluções, optar em fazer uma solução segura, descarregando os blocos de urânio pelos canais técnicos de emergência para fazer uma substituição dos tubos de alumínio,os blocos de urânio seriam enviados para um piscinão de água fria, onde o plutônio poderia ser isolado,  mas isso poderia significar um risco, com um movimento abrupto poderia se danificar as placas de alumínio, além de que, os técnicos não sabia o quando de plutônio podia ser isolado. Pelo plano, os tubos receberiam uma mistura anticorrosiva de uma fábrica de aviões e seriam reinseridos no projeto. Isso tomaria muito tempo.


     A outra solução era retirar os tubos radioativos manualmente, com extremo cuidado e armazená-los protegida por grafite (que isola a radiação), até o produto anticorrosivo chegasse e fosse utilizado nos blocos de alumínio. Era com certeza a solução mais perigosa e mais rápida.

      Imaginem qual foi escolhida? A segunda, é claro, e com isso, milhares de pessoas acabaram sendo expostas gratuitamente à radiação e um dos maiores desastres radioativos acabaram sendo encobertos pelas páginas da História.

       Em 1949, a URSS detonou a sua primeir bomba nuclear, e pouco tempo depois, detonou a Primeira Bomba de Hidrogênio do Mundo, ficando à frente dos Estados Unidos.

       Mas e o sacríficio? Ninguém lembrou.  Os desastres do programa nuclear soviético são contado em minúcias pelos irmãos Medvedev em seu livro: Um Stálin Desconhecido, tal como a História de um diretor soviético que morreu em decorrência da radiação por ter entrado antes do tempo em um local (na explosão de uma bomba atômica), ou mesmo a quase morte do próprio Lavrenti Béria (que iria com certeza vingar suas vítimas) quando conseguiram evitar que ele entrasse em um reator nuclear com radiação ainda operando.

        Os americanos realizaram testes no Atol de Bikini para verificar a eficácia de seus dispositivos nucleares, explodindo ao todo 23 bombas nucleares e de hidrogênio no atol. Isso mesmo, 23! Eu sinceramente não queria ser um morador de Bikini.

          Os habitantes micronésios, que eram cerca de 200 antes de os Estados Unidos os realocarem antes dos teste nucleares, consumiam peixe, frutos do mar, bananas e cocos, não levavam uma vida cheia de confortos como a nossa, mas mesmo assim deviam gostar de sua terra.

         E de repente jogam 23 bombas na sua ilha! É pra deixar qualquer um irritado. Com essas 23 explosões, houve-se a abertura de 23 possibilidades de termos a nossa atmosfera incinerada (Tal como fazemos com o ar quando colocamos um fósforo num copo fechado).

File:Operation Crossroads Baker Edit.jpg
Uma das Explosões em Bikini

         Em 1968 os Estados Unidos declararam Bikini uma terra habitável e começaram a trazer os bikinianos de volta para casa no começo dos anos 70. Em 1978, no entanto, os habitantes foram removidos novamente quando o estrôncio 90 em seus corpos atingiu níveis perigosos. Eles processaram os Estados Unidos e foram indenizados em 100 milhões de dólares . A operação de limpeza retiraria uma cobertura de 16 polegadas do solo da ilha principal de Bikini, gerando um milhão de pés cúbicos de solo radioativo que não poderia ser descartado, a um custo que excede muito a indenização.

             Em 1997 um grupo especial de cientistas da AIEA (Agência Internacional de Energia Atómica) o determinou que seria seguro caminhar em qualquer lugar das ilhas. Embora a radioatividade residual em ilhas do Atol de Biquíni ainda fosse mais alta que em outros atóis das ilhas Marshall, os níveis medidos não eram perigosos à saúde. Mas até hoje não pode-se comer nada dali, o consumo de produtos do local, como frutas, poderia acrescentar ao corpo radioatividade suficiente para matar uma pessoa. O consumo ocasional de cocos ou bananas da Ilha de Biquíni não seriam nenhum motivo de preocupação.

            Por causa destes riscos alimentares, a AIEA recomendou não repovoar a ilha de Bikini. E assim vem se seguindo, perdeu-se um território aproveitável por causa das bombas nucleares, só um único maluco que ainda vive nessa ilha, isolado, tem a coragem de permanecer lá.


           Em 1961, chegamos ao período de maior risco de incineramento de nossa atmosfera, quando em 30 de outubro,  depois da Volta ao Mundo de Gagárin na Vostok 1, a União Soviética, tentando mostrar a sua força, detonou a maior bomba nuclear já produzida... A Tsar Bomba!

          A Tsar Bomba, tinha realmente nascido para ser a rainha das bombas, com 27 toneladas, esse trambuco foi desenvolvido para ser uma bomba de 100 Megatons, (Equivalente a explosão de 100 000 000 toneladas de TNT), mas de novo os riscos eram realmente muito altos, tanto no repasse da radiação, quanto no risco total de incinerar nossa atmosfera. Então decidiu-se fazer uma bomba de 57 Megatons.

         A Tsar Bomba era tão poderosa que o seu sistema (Explosão à Fissão Nuclear para desencadear um processo de Fusão) era equivalente a 3800 vezes mais poderoso que o sistema de detonamento da Little Boy (de Hiroshima).

         O artefato nuclear foi carregado com dificuldade por um bombardeiro pesado Tupolev-97, que mal conseguia levantar voo de tão pesado, até a ilha de Novaya Zembla, no Extremo norte da Rússia... Uma ilha que sinceramente não queria morar.

        Havia o risco de que o avião não conseguisse escapar da explosão da bomba e ser incinerado com a reação do Cogumelo Nuclear, mas felizmente o avião lançou a bomba a uma altura segura (com o uso de um paráquedas, para não detonar antes do tempo) e zarpou rapidamente para fora da ilha.

         A explosão foi tamanha, que formou uma cratera de rocha sólida, na ilha Novaya Zembla, que é visível no Google Earth, isso considerando que a bomba explodiu a 4000 metros do solo, não sobrou pedra sobre pedra em Novaya Zembla.

          A explosão foi tão forte, que alguns dizem tê-la visto na Finlândia, e que ela teria causado o estilhaçamento de janelas.

          A Tsar Bomba em vídeo.

         Tome cuidado para a radiação não passar pela tela do seu computador!



      Um operador de câmera registrou:
"As nuvens a uma grande distância abaixo e acima do avião foram iluminados pelo clarão da bola de fogo e por um instante tornaram-se transparentes. A propagação da luz incandescente sobre o mar era algo impressionante. Nesse momento nosso avião emergiu do meio de uma camada de nuvens e pudemos observar uma gigantesca esfera de fogo brilhante e alaranjada rolando em direção ao céu."
"A esfera era tão poderosa e tão arrogante como Júpiter."
"Lenta e silenciosamente rastejou para cima..."
"E fundindo-se a camadas mais grossas de nuvens, continuou a subir e a crescer. Parecia sugar toda a terra nele. O espetáculo foi fantástico, irreal, sobrenatural."'
Um outro observador, mais distante, descreveu o que testemunhou da seguinte forma:

"Um gigantesco clarão sobre o horizonte, e após um longo período de tempo ouvi um sopro distante e pesado, como se a terra tivesse sido morta."
Uma outra testemunha relata:

"A neve derreteu, as bordas e os lados das rochas ficaram brilhantes como se tivessem sido lapidadas, não há um traço desigual sequer..."

             Esse foi com certeza a maior ousadia e estupidez feita pela humanidade. Kruschov, que estava já no cargo de Premié da União Soviética já tinha dado um sinal de ameaça aos Estados Unidos, de quem se mechesse com a União Soviética, ia acabar mal. O ano de 1961 acabou com um homem orbitando a Terra, a construção de um Muro em Berlim e a Explosão da Maior Bomba Nuclear de Todos os Tempos.


         Não à toa que em 1963, estivemos perto do Holocausto Nuclear. Ainda dou graças a Deus, de Kruschov ter dado as caras e ter sentado com Kennedy para resolver suas pendências (Foi Kruschov que salvou o Mundo do Holocausto Nuclear, se ele não tivesse se sentado com Kennedy, os Estados Unidos já estavam preparados para iniciar a guerra contra a União Soviética).


        É por isso que não gosto de bombas nucleares, usinas nucleares e tudo que tem afim. A Energia Nuclear traz enormes problemas, como Chernobyl e Fukushima (principalmente Chernobyl. Fukushima foi resultado da estupidez do governo japonês, por não ter aprendido com Hiroshima e Nagasaki os perigos da energia nuclear).

       Dirão que sem a radiação, não teríamos sistemas de comunicações sem fio, como Wireless, telefones móveis, fornos de microondas e dispositivos para o tratamento de câncer. Tudo isso é verdade, mas o maior erro do homem não foi ter descoberto a radiação, mas sim ter descoberto um jeito de usá-la como arma.




        
       

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Assobio '18

A sombra escura paira sobre a cabeça O sabor terroso invade o paladar E sinistramente desce agridoce O medo corrompe meus olhos A frustr...