quarta-feira, 30 de abril de 2014

Gravata de seda

Eu tinha uma bela gravata
Uma gravata vermelha
Coisa de croata
De nó fino e bem cortado

Eu adorava aquela gravata
Principalmente por ser de seda
Gravata é algo que sempre achei diferente
Talvez pelo formato, ou pelo nó

Quando usava gravatas
O maior problema é dar o nó
Windsor, Italiano, Duplo nó
Às vezes um martírio

Deixei de usar gravatas
Deixei de usar um dia
Não por achá-las feias
Nada disso

Gravata é algo cultural
Sempre vi assim
Cultura cuja saliência
Virou mundial

Gravata é corruptela de croata
E servia de fecho para camisa
Mas quando soube disso
E pensei na camisa de botão
Deixei de usar gravatas

Gravatas são um nó
Uma coleira social
Não sei por que, mas prefiro paletó
Sem gravata alguma

Além disso não sei dar nó
Não sei amarrar cadarço
E muito menos falar de outra coisa
Senão de gravatas

As gravatas borboleta
Combinam com black-tie
Ou um belo smoking inglês
Mas não combinam com o terno slim

Terno tem que ter três botões
Conforme tradição
Gravata tem que combinar com camisa
E com a estampa da peça

Não sei, gravata me divide opiniões
É uma coisa inútil que prende seu pescoço
Engrossa sua voz e te deixa diferente
Mas acho ainda assim bonito
Impõe respeito

Mas gravata?
Qual o sentido disso?
Não sei, eu comecei a pensar em gravatas
Listradas, lisas de bolinhas
Gravatas

Gravatas combinam com lenços
Que combinam com meias
Que devem ser escondidas na barra da calça
A qual deve estar alinhada junto ao calcanhar

O corte de um terno é algo milimétrico
Assim como o fio trançado de algodão egipcio
Um paletó é a qualidade de um bon-vivant
E isso eu sei ser muito bem

Gravatas de seda
Me lembram folhas secas
E de amores perdidos
Por novos tempos
E novos sentidos

Gravatas são tão inúteis
Como as paixões que nos prendem
Cada vez mais ao passado
E as canetas escrevem histórias
Que devem ser apagadas com o tempo

Uma gravata vinho
Outra listrada
Ambas combinam
E ainda assim são inúteis

Para quê fechar a gola
Se está quente
E se tem um botão?

Mas que bordão
nada mais fino
do que uma gravata

Estou pensando nessa gravata
Como se não sinto nada
Mas perdi meu amor hoje
E tudo que tenho é esse sentimento croata
De balcânico acometimento

Ela foi embora levada pelo vento
Nesse longo discurso rabugento
Quero ficar sozinho
Analisando a gravata de seda

Papel, caneta, relógio
Gravata, cinto e sapato
Coisas tão pequenas
E tão definidoras

Ela também era pequena
E ainda assim dói mais que um elefante
Partindo em matilha levando meu coração

Seda...gravata de seda

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Assobio '18

A sombra escura paira sobre a cabeça O sabor terroso invade o paladar E sinistramente desce agridoce O medo corrompe meus olhos A frustr...