domingo, 1 de abril de 2012

Uma mentira

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

O poeta é um contador
De mentiras da mente
Canta com tanto clamor
Um sentimento demente

O poeta é um escritor.
Escreve tristemente
Canta a sua triste dor
Do coração ausente

Rima com louvor
Canta a loucura
Tão louca, consciente
O amor e ternura

Eis aquele que escreve,
Sobre querida sente bem,
O velho amor que teve,
E que agora não tem.

Eis na ode chorosa
Tenta  entreter a razão,
Nesse nó de corda
Que se chama paixão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Assobio '18

A sombra escura paira sobre a cabeça O sabor terroso invade o paladar E sinistramente desce agridoce O medo corrompe meus olhos A frustr...