sexta-feira, 6 de abril de 2012

Paixões ardentes






"Mostre-me um homem que não seja escravo das suas paixões." Shakespeare

      Paixões, como são boas as paixões... as paixões adolescentes, as paixões senis, as paixões de fim de semana, ou as paixões intelectuais.

       Sim, paixões.


       Hoje, por estranho que pareça, é um daqueles dias amorosos que acontecem uma vez a cada ano... Visto porque alguns dirão que associei à paixão de Cristo, digo de antemão que não sou católico e sequer associei-me a isso. Eu simplesmente pensei nas minhas paixões.

Paixão: uma palavra bonita

       Eis que várias pessoas me odeiam, algumas me odeiam e poucas me amam, visto que não sou pessoa fácil de se lidar; Mas que verdade seja dita, eu mudo quando me sinto apaixonado.

       Não porque eu me torne uma pessoa melhor, menos tratante ou algo assim, mas meu próprio astral muda... Eu passo a ser essa criatura não mais fria ou depreciva que se diverte criticando os outros, que passa suas tardes matutando em algum texto melhor para escrever ou algo assim... Eu penso em lirismo, poesia e música.

       Sim, eu provavelmente vou me arrepender de um dia ter escrito isso, mas eu acho que estou amando.

       Não são ideias, ideologias ou abstrações de tempos remotos, eu estou realmente desenvolvendo um afeto por outra pessoa que parece ser mais forte que o meu peito.

        Sim, é tolice, por demais tolice, sentir-se apaixonado, enfeitiçar-se por esse maldito sentimento enlouquecedor. Mas é uma das poucas vezes que me sinto contaminado por esse sentimento.

         Aos leitores mais assiduos de meus poemas, nem sempre tão belos e lustrosos, saberão o quanto sofri de verdade por uma garota, uma garota a qual eu amei e não me amou... Sim, ainda me martirizo por isso. Mas hoje é um dia para mudar de página.

       Estou falando de "ego", sed ego non omni est, eu sei que há pessoas nesse mundo que não encontraram o seu verdadeiro amor, não desfrutaram plenamente desse tenro sentimento, e quando desfrutaram foram traídos pelas próprias circunstâncias. Eu sou uma delas.

      Sim, eu sofri muito, sofri tanto que a resposta para o meu sentimento dolorido foi me isolar do Mundo, separar-me da vida e criar meu próprio mundo de logicidade e trabalho, às vezes precisamos disso, mas hoje não, hoje é diferente. É hora de levantar e resplanescer o novo. Sua vida não é mais como antes.

       Se serei correspondido em meu amor, quanto a isso não sei, por vezes não sou; mas convido aos senhores e senhoras, leitores desse blog a pensarem em algo novo, algo diferente que movam suas vidas, não digo que seja uma nova pessoa, uma nova paixão, mas sim novas ideias, novas concepções, novos projetos, novas paixões para enfrentar o mundo.


         O Mundo é nosso eterno vilão, nosso declarado inimigo, devemos vencê-lo correndo com nossas vidas, vivendo o que há para se viver.

         Essa é uma carta para aqueles viveram ou ainda esperam viver paixões ardentes, e cansaram de esperar que essa sorte caia de paráquedas sobre si; Essa carta é para pessoas como eu.

        Perdoem meu profundo esquecimento das regras de estilo, mas quando falo de paixões, rapidamente palavras vêm em minha cabeça.


PS: O legal que a legal "paixão" vem verbo latino, patior, que significa sofrer ou suportar uma situação dificil, então prepare-se para vários intemperes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Assobio '18

A sombra escura paira sobre a cabeça O sabor terroso invade o paladar E sinistramente desce agridoce O medo corrompe meus olhos A frustr...