Ostracismo

Hoje compreendo
o tamanha pesaroso
De ficar tecendo
o fio sinuoso
do verso solitário

Meu cinismo de ontem
é o a rima de hoje
e na retórica quebrada
Erijo um totem para mim mesmo

Faríngeo e fariseu
Bravo e grande coliseu
é o meu ego centralizado
Meu egocentrismo acuado

Hoje compreendo
o que é ostracismo
ser deixado de lado
E tomar as areias da história

Tem tudo um licor salgado
E um vazio narcisístico
Que nem pinto prosa
Nem  sublinho dístico

A nostalgia
O passado místico
O perdão encolerizado
Ergui para mim mesmo
O ataúde de madeira
do nobre esquecimento

Minha autopiedade
é mais honrosa
do que pensar em solidariedade

E fazendo-me de cego
Fazendo-me de surdo
Ouço e vejo mais do que a maioria
Condenável ostracismo

Condenável destino
Espero que me ouça
Sou uma múmia de vinte anos
Com um cinismo e rabugice
De uma coroa de espinhos


Comentários

Postagens mais visitadas