segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Uma segunda de novembro

          Queria escrever sobre a leveza dessa pena
          Queria escrever sobre o lírio do campo
           Queria fazer uma longa cena
           Tal como um saltimbanco

           Tudo o que penso,
            tudo o que sinto.
            Não é nada.
            Nada

            Vida devassa
             A vida passa
             E não vivo
             Sem você

              Ditadura da palavra
              Rima bem parva
              Dizer que te amo
              Repetidas vezes

              Você não acredita mais
              Não acredita mais em mim
              Não a culpo, repeti tantas vezes
              Que se cansou de me ouvir falar

              Dizer que amo
              Sequer nos conhecemos
              Sequer nos olhamos
              Vamos nos conhecer?

              Meu nome é um qualquer
              Meu pronome é o que houver
              Romântico tolo e embriagado
              Com o papo sussurrado

              Gosto de ouvi-la falar
              Gosto de vê-la sorrir
              Gosto de sentir
              Que posso amar

               Mas não é verdade é?
               Você não me quer
               Ninguém me quer

               Esse é o mau das coisas
               O mau dolorido da vida
               O mau de amar e
               Não ser correspondido

                Obrigado pela elegância
                Obrigado por  ouvir
                Toda minha extravagância
                 Que lhe fiz sentir

                 Minha vida é assim
                 Uma coisa sem sal
                 Um conto sem fim
                  Um sonho frugal

                  Não sou mais do que antes
                  Não sou hoje, não sou amanhã
                  Nunca serei além disso
                  Essa é a minha carcaça, minha vida

                  Teria sido fácil se tivesse me calado
                  Teria sido rápido se tivesse me fechado
                  Mas não consigo, é algo  comigo
                 

                    Esse é o meu destino:
                   Uma garrafa vazia
                    Um sonho perdido
                    E uma vida fria

                    Que triste melodia!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aço incandescente II

         Esperanças e medos          "Todas as vezes que penso na grandeza desses dias, penso em Maiakovsky:                 'C...