quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Uma bela tarde em Novembro

          Chovia, chovia fino
         Batia o vento contínuo
         Sentia o badalar do sino
         Triste destino

         Era uma tarde...
         Muito sem graça
         Tudo veio, tudo passa
         Numa rodoviária qualquer

         Uma chama arde
         E não há o que desfaça
         Parece amor, mas é amor
         Isso digo pra quem quiser

         Não queria sair de casa
         Sequer falaria com ninguém
         Tudo o que pensava
         Tudo que sentia era por alguém

        Aquela menina, aquela doce menina
        De cabelos escuros, sorriso engraçado
        Que pulava nas folhas e brincava
        Queria falar com ela, queria conversar com ela


        Estava perdido, não sabia o que iria dizer
        Não sabia o que fazer, sequer sabia se iria
        Ali, naquela Rodoviária, sozinho, sempre sozinho
        Ele sempre foi sozinho, desde criança é verdade

        Encontrou um amigo, bateu papo
       Conversou vivo como sapo
       Não queria falar.
       Não queria se atrasar
       Se atrasou

      Entrou num ônibus,
      ele e os outros
     Conversavam entre si
      Ele taciturno

     Chovia sobre o lago.
     Alguém chorava no lado.
     Era ele mesmo

    Perderam-se no caminho
    Estavam atrasados
    Tudo que tinham era o verbo
    e o vinho

    "Não quero me atrasar
    Não posso me atrasar.
    Ela vai embora, e eu sequer
    irei vê-la"

   Andaram dois quilômetros.
   Se perderam de novo
   Ele sequer lembra como chegou lá
   Naquela festa

   Perdeu-se junto com a rima
   Olhou logo de cima
   Todos os que fitavam
   "Cadê ela?"

   Deram-lhe um pouco de vodka
   Não queria beber, não queria
   "Cadê ela?"
   Ela não veio

   Ela não veio
   Sentiu-se triste.
   Abriu a bebida
   Bebeu ali mesmo

   Ela não veio
   Sentou-se na mesa
   Baixou a cabeça
   Lutou consigo

   Foi jogar dominó
   mas queria mesmo chorar
   "Ela não veio"

    Ganhou algumas
     Perdeu outras
     Mas no fim,
     Ela não veio

      Estava quase para ir
      tava quase pra fugir
      Quando algo lhe fez sorrir

      "Ela veio"
       Correu até ela
       Falou tudo o que queria
       E disse que a amava
                         
       "Ela veio"
        Sorrisos, carinhos
        Batia mais rápido o coração
        Estava consumido de paixão"

        Uma bela tarde de novembro
        Para quem venceu outubro
        E tem aulas em janeiro
        Um belo novembro
             
        "Ela veio"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Assobio '18

A sombra escura paira sobre a cabeça O sabor terroso invade o paladar E sinistramente desce agridoce O medo corrompe meus olhos A frustr...