A porta

No dia em que os sussurros da madrugada
Forem tão fortes que arrebentem as batentes
Da porta, saberei que bem longe dali
Estarão meus parentes
Muito longe, falando mal de mim


A noite se pronuncia com ventos cada vez mais fortes
A ousadia é tão duvidosa que sozinha
Abre a porta e deixa o vento passar

As cortinas voam, os papeis também
tudo o que espero é sempre
ter cuidado com o vento
Ciumento, às duas da madrugada

Comentários

Postagens mais visitadas