Acima do bem e do mal repousa todas as coisas que concernem a natureza humana.

domingo, 11 de maio de 2014

Poema de papel

        A medalha de papel 
        é o soneto de um violinista
        que brinca de
        desenhar o céu

        A sombra tece um véu
        Na árvore narcisista
        De folhas vermelhas
        E cheiro de mel

         A palha do chapéu
         Amarelo renascentista
         Cobre a cabeça
         Em forma de anel

          O vento corifeu
          Brinca a poetisa
          De quebrar rima

          Como se rasga papel

Nenhum comentário:

Postar um comentário