Acima do bem e do mal repousa todas as coisas que concernem a natureza humana.

sábado, 19 de maio de 2012

Noite da costa

      Noite, abafada é claro
      São todas as noites
      naquelas praias escaldantes
      Ao longo dos trópicos.

      Sim, era uma tarde festiva:
      Ano Novo.
      Ao bater das ondas do Mar na praia
      Centenas de pessoas festejavam

       Vestidas como enfermeiros
       Riam-se ruidosas
       Êmbrias de tanta bebida
       Cantavam a balada

       "Adeus, ano velho.
       Feliz ano novo
       Que tudo se realize
       No ano que vai nascer..."

        Não havia nada de feliz
        A não ser feliz Ano Velho
        Não havia esperença
         Não havia nada

         Nem amor, nem harmonia
          Não era alegria a celebrar
          Era uma velha triste agonia
          Que há muito deixou passar

           Então ele caminha sozinho
           Alheio a tudo, alheio a todo mundo
           Felicidade não existia
           Era triste de corpo, triste de alma

          Feliz nunca fora
          Queria se meter uma bala
           Mas não tinha arma
           Vagava icógnito e sozinho

            A rua escura lhe dava repulsa
             Queria ver agora a morte
              Para lhe meter na fuça
               A sua triste sorte

               Implorou para que lhe fizessem mal
                Jactou-se por não ser um animal
               Sorriu tristemente ao encontrar
               Uma ponte sobre o canal

                Foi para a beirada ,
                 pensou em se jogar.
                 Chorou a vida
                  Matou a alegria

                 Mas ouviu ao fundo
                 A linha do violino
                 Corou com  a triste música
                 E pensou na sua harmonia

                 Triste  podia sua vida,
                 Doce poderia ser sua cantoria
                 Desiste naquela noite,
                  Canta e sai pela avenida:

                  "Lua triste de dezembro
                  Chora a noite de alento
                   Pois espero com tanta sorte
                    O meu doce talento"

Nenhum comentário:

Postar um comentário